Artista Visual

Suas imagens interpretam afetos da natureza e do ser humano.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Aniversário da amiga Michèle Sato

Hoje é um dia mega-especial: aniversário de Mi Sato
Ofereço-te Águas do Pantanal.
Águas que nascem na Chapada...
Águas que conectam com o oceano...
Águas que trazem a leveza, a beleza, a critividade
Águas que nos ligam com o feminino que há em nós.
Águas que beijam o chão e propiciam a origem de muitas vidas.
Águas
bichos
flores
e muitos amores para você, Michèle.

Fotos de  Ruth Albernaaz - Paraguai river.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Qual seu poema de Primavera?

Flor de urucum do quintal da casa dos meus pais.


Primavera (Cecília Meireles)


A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, - e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.
Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.
Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e efêmera.
(Do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998).

COPIEI DO BLOG DA MINHA QUERIDA AMIGA CRIS.

Em seguida algumas fotos de flores - que cliquei em Chapada dos Guimarães...




quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Dia Mundial sem Carro

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Dia Mundial sem Carro

por Karol Assunção, da Adital

Nesta quinta-feira (22), celebra-se o Dia Mundial sem Carro. A ideia é deixar o automóvel particular em casa e procurar meios alternativos para se locomover: pode ser a pé, de bicicleta, ônibus, metrô, trem ou qualquer outra forma alternativa ao carro. Cidades de várias partes do mundo já iniciaram ações de sensibilização e mobilização para a data.

Cidade do México, por exemplo, realiza atividades relacionadas ao Dia Mundial sem Carro desde o último domingo (18), quando promoveu o encontro no Monumento da Revolução para convidar a população mexicana a participar da programação da Semana Bicicultural Dia Mundial sem Carro, Cidade do México, D.F, preparada para a data.

Na manhã da quinta-feira, organizações realizarão um “Parking Day” nas ruas próximas ao Monumento ao “Ángel de la Independencia”. À noite, promoverão um “Passeio de Todos”. As atividades seguirão na sexta-feira, com conferências e mesas de debate sobre a segurança de ciclistas.

O encerramento ocorrerá no domingo (25), com o Primeiro Encontro Bicicultural por um México Melhor, o qual terá como tema: “Pedalando com inteligência, evitamos a violência”. Na Argentina, o Dia Mundial sem Carro será lembrado com passeios de bicicletas, skates e patins pelas ruas do país.

As atividades também já começaram no Brasil. Em São Paulo (SP), diversos eventos até o próximo sábado (24) chamam a atenção sobre os carros no espaço público. Na própria quinta-feira, motoristas da cidade do Rio de Janeiro (RJ) previamente cadastrados receberão R$ 10 de crédito no “Bilhete Único” para usar na passagem.

Belo Horizonte, em Minas Gerais, realizará um passeio ciclístico de 15 quilômetros para celebrar a data. Em Fortaleza, capital cearense, vereadores e ciclistas se concentrarão às 8h na Praça da Imprensa para ir até a Câmara Municipal de bicicleta. Às 9h, a Câmara da cidade sediará a abertura de uma exposição fotográfica e o lançamento da Campanha por um Trânsito gentil e sustentável.

Dia Mundial sem Carro

Iniciado em 1997, na França, o Dia Mundial sem Carro chama a população mundial a refletir sobre a mobilidade humana e os meios alternativos ao carro particular para se locomover. Assim, no dia 22 de setembro de cada ano, cidades de várias partes do mundo se mobilizam para debater sobre o assunto.

Em Bogotá, Colômbia, além do dia 22 de setembro, a cidade celebra, em fevereiro, oDia sem Carro em Bogotá. Instituída pelo Decreto 124, de 24 de fevereiro de 2000, a iniciativa restringe a circulação de veículos na capital colombiana das 6h30 às 19h30 da primeira quinta-feira do mês de fevereiro.

Com informações de agências.

* Publicado originalmente no site Adital e retorado do site Mercado Ético.

Envolverde

domingo, 11 de setembro de 2011

O Povo Rikbaktsa está ameaçado pelas Usinas Hidrelétricas

Viagem ao Povo Indígena Rikbaktsa
 O povo Rikbaktsa pede ajuda...

canoa indígena Rikbaktsa


casa tradicional indígena

meninos brincam nas águas do Rio Juruena

Anciãs Rikbaktsa que usam tatuagem tradicional.

Os Rikbaktsa vivem atualmente na Região de Juína/Brasnorte/Cotriguaçu. As aldeias que visitamos ficam ao longo da margem direita do Rio Juruena. O povo encontra-se ameaçado por possíveis construções de PCHs e de uma Usina Hidrelétrica de grande porte - que se for construída acabará com todas as aldeias que visitamos ao longo do Rio - fica aqui UM ALERTA E UM PEDIDO PARA QUE TODA SOCIEDADE BRASILEIRA ACOMPANHE O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM VÁRIOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL ATINGIDOS POR BARRAGENS. O QUE PODEMOS FAZER PARA AJUDAR OS RIKBAKTSA CONTINUAREM TENDO O DIREITO DE SER QUEM SÃO...?
Fotos de Ruth Albernaaz e Adriano Castorino em junho de 2011.

Para saber mais sobre o Povo Rikbaktsa acesse o site do Instituto Socioambiental.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Maria Bethania - Yemanja Rainha Do Mar/ para uma flor chamada Regina Silva

01 de setembro nasce uma flor chamada REGINA SILVA
Amiga, desejo que a sua vida seja repleta de flores e amor, felicidades sempre!!!

 A Terra em flor
Amor
Delicada Regina
Flor de Silva


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O VENENO ESTÁ NA MESA



O Comitê do RJ da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida fez o lançamento, no último dia 25, do novo documentário de Silvio Tendler: “O veneno está na mesa”. O filme mostra o perigo a que se está exposto por conta do emprego de agrotóxicos na agricultura, e como este modelo beneficia as grandes transnacionais do veneno em detrimento da saúde da população.
Sinopse:
O Brasil é o país do mundo que mais consome agrotóxicos: 5,2 litros/ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo mundo pelo risco que representam à saúde pública. O perigo é tanto para os trabalhadores, que manipulam os venenos, quanto para os cidadãos, que consumem os produtos agrícolas. Só quem lucra são as transnacionais que fabricam os agrotóxicos. A idéia do filme é mostrar à população como estamos nos alimentando mal e perigosamente, por conta de um modelo agrário perverso, baseado no agronegócio.