Artista Visual

Suas imagens interpretam afetos da natureza e do ser humano.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Inspirado no livro de Manoel de Barros "Matéria de Poesia" de 1970


Tudo aquilo que nos leva a coisa nenhuma
e que você não pode vender no mercado
como, por exemplo, o coração verde

dos pássaros,
serve para poesia

As coisas que os líquenes comem
- sapatos, adjetivos
têm muita importância para os pulmões
da poesia

Tudo aquilo que a nossa
civilização rejeita, pisa e mija em cima,
serve para poesia.

Manoel de Barros em Matéria de Poesia, 1970.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Ruth Albernaaz is the artistic name of Ruth Albernaz-Silveira. Born in Chapada dos Guimarães – MT, Ruth started to work with art at age 12, creating compositions with elements from the Cerrado (Brazilian savanna) biodiversity on artisanal paper that she manufactures. In her career, she has become a transdisciplinary visual artist, using various media and languages for her compositions in paper, installations, non-objects, canvas paintings, woodcarvings and poems. Ruth is a biologist with a Masters in Environmental Sciences and a PhD in Amazonian Biodiversity from the Bionorte Network of the Ministry of Science, Technology and Innovation - MCTI. Her doctoral research was conducted with the Rikbaktsa indigenous people, focusing on the connections between art, culture and conservation of the Amazon’s biocultural diversity. Portfolio available at: http://ruthalbernaz.blogspot.com.br / https://www.facebook.com/RuthAlbernaaz Atelier: Rua Ricardo Franco, 609 - Centro Histórico de Cuiabá – MT, Brazil.

Mais informações acesse o artigo da revista Sustentabilidade em Debate

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Tsanipê em Ruth Albernaz: competência artística


Tsanipê  em Ruth Albernaz: competência artística
                                                                             Marília Beatriz*
No poema PURIFICAÇÃO DA ESPERA revelei: “Porque a mágica não é do mágico é do olho que vê”. Parece que é exatamente isso que a artista traz em seu desdobrar trabalhos, obras e tessituras. Seus patuás apontam seu largo amor pela cultura indígena e refletem através de cores, nuances e certa energia que deles emana a possibilidade estrutural da arte reconstruir ritos e guardar a identidade. Não é possível revelar em palavras o quanto de impacto sentido nos traços bem desenvolvidos pela arte maior de Ruth Albernaz. Será que ela também carrega a magia para deixar todos encantados? Será que houve o contágio da cultura indígena em traduzir as belezas dos guardiões das florestas? O que importa agora é receber a obra de Ruth Albernaz e contemplar com atenção o que existe de belo, verdade e amor. Eis aqui a competência artística!

                    Início de noite gostosa, em maio de 2016

*Mestre em Comunicação e Semiótica /PUC-SP e ocupante da cadeira Nº 2 da Academia Mato- Grossense de Letras. 
In: Livreto Patuá

A imagem é parte da Exposição Patuá em cartaz no Sesc Casa do Artesão em Cuiabá - MT.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Patuá é noticia no Diário de Cuiabá

ExposiçãoPatuá nas dicas Fuzuê das Artes.

http://fuzuedasartes.blogspot.com.br/2016/06/acontece-neste-sabado-1106-abertura-da.html
Patuá no Olhar Conceito
Exposição Patuá por Ruth Albernaaz
http://www.olhardireto.com.br/conceito/noticias/exibir.asp?noticia=exposicao-une-simbolos-religiosos-e-linguagem-dos-povos-tradicionais&id=10998

EXPOSIÇÃO PATUÁ
 O tema “Patuá” é fonte e substrato desta mostra que apresenta obras inéditas da artista Matogrossense Ruth Albernaaz baseadas em pesquisas e experimentações que ela se envolve no campo da Etnoecologia com comunidades tradicionais e povos indígenas. São transportadas para o fazer artístico expressas em suportes variados que se misturam à elementos coletados dentro da força Xamânica para propor uma arte sensível e afetiva que conta sobre a cultura nativa e suas conexões com a natureza. Há um intenso processo de construção com a intencionalidade de conectar o universal/local e espiritual/material. Traz símbolos/signos da imagética do sincretismo religioso para propor uma ambiência de Arte presentificados em detalhes subjetivos nas composições, sem estereótipos prontamente identificáveis.

O que: Exposição de Arte Contemporânea PATUÁ
Artista: Ruth Albernaaz
Curadoria/ texto: Imara Quadros
Concepção de Iluminação: Luis Segadas
Texto: Marília Beatriz de Figueiredo Leite
Citação: Cristina Campos
Fotos do Livreto: Aruã Callil e Reinaldo Mota
Onde: Sesc Casa do Artesão [Rua Treze de Junho, s/n, Bairro Porto, Cuiabá-MT];
Quando: 11 de junho de 2016
Hora: 09:30 à 12:00 h
Período da Exposição: 11 de junho a 30 de julho;
Horário de Visitação: segunda a sexta, das 8:00 às 18:00 h;
                                        sábado: 8:00 às 12:00 h.

Entrada Franca – Indicação Livre.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

RESILIÊNCIA


Pulsação do dia: RESILIÊNCIA
Hoje amanheci com com essa força motora, que me inspira e me faz ser o que sou.
É preciso ter resistencia e resiliência para caminhar nesse planeta cheio de meandros e desafios.
Aprendi com minha força ancestral as chaves para seguir o caminho. Conhecer a coragem para reinventar a vida todos os dias com leveza e sabedoria, concordando com o fluxo da vida.
É tão maravilhoso poder estar aqui e no agora seguindo o dom recebido pelos Mestres, minha eterna gratidão!
Gratidão a grande Mestre Mãe Natureza que me mostra a caminho a seguir...
Título: Resiliência
Ano: 2015
Acervo de uma cliente da Casa das Molduras.